Capture
09/07/2015

Mudar?

“Estive 30 anos na mesma empresa e sai de entregador de correspondências para ser gerente de peças automotivas…” Dizia meu pai!

Os tempos mudaram e pessoas assim como meu pai não possuem esta mesma ambição de passar anos trabalhando na mesma empresa em busca de crescimento contínuo, estável e demorado. Isso deve-se ao mercado que está mais dinâmico que não deixa um funcionário se capacitar por vários longos anos para assumir uma nova posição, fazendo com que pessoas que demoram em se capacitar sejam descartadas durante o tempo.

A geração que hoje se encontra no mercado de trabalho possui uma forma de pensar diferente em relação aos seus antepassados, onde esta geração busca sempre crescer rápido em busca de novos conhecimentos e desafios, esta geração que não tem medo de dizer não e que busca realização profissional e pessoal conjuntamente e de forma rápidas. Essa geração é a tal da Geração Y! Mas mesmo esta geração se enquadrando no perfil requerido do mercado, existe uma coisa que é difícil de lidar seja para qualquer geração “a Mudança”.

Existem alguns fatores que levam a mudança:

  1. Busca de conhecimento
  2. Aumento de salário
  3. Busca de uma promoção que não veio
  4. Promoção em outra área
  5. Insatisfação na empresa
  6. Insatisfação na profissão
  7. Perda do emprego
  8. Aposentadoria

Toda a mudança é dolorosa e deve ser muito bem calculada pelo individuo, pois mudar de emprego, de função ou até mesmo de ramo de atividade não é nada fácil, isso acontece por que ao realizar qualquer mudança você mexe com uma coisa que quase ninguém gosta: a chamada “Zona de Conforto”. Esta zona é quando o indivíduo conhece exatamente como fazer tudo, conhece as pessoas ao seu redor, os processos, ferramentas e principalmente sabe quais dificuldades de cada tarefa, mas quando se começa a sacá-lo desta zona, geram-se várias dúvidas de como será a performance,  relacionamento e qual o tempo de aprendizado para a nova tarefa fora da zona de conforto e se tal indivíduo será flexível o suficiente para se adaptar a esta nova zona.

Pensando nisso tudo acima, podemos concluir que a mudança é uma coisa ruim, certo? Errado!! A mudança deve ser encarada como uma forma de abertura de novas portas e não fechamento de uma, pois mudar pode significar novos conhecimentos, novos contatos, novas oportunidades e também crescimento. E caso você encare como uma coisa ruim, ela pode gerar resistência interna o que faz com que a mudança seja muito mais difícil e dolorosa, ainda mais se foi uma mudança que você não pediu e/ou não quis, podendo gerar assim conflitos internos que te impede de aprender coisas novas e principalmente a se adaptar ao novo meio.

Exemplos de mudança, como no post, podemos ver JP Lehman como uma pessoa que tentou ser tenista profissional e não conseguiu mudando seu foco para o mercado financeiro e nem por isso ele deixou de ter sucesso, muito pelo contrário ele conseguiu ser o maior empresário brasileiro ( na minha opinião).

Afinal saber encarar de forma positiva uma demissão ou uma imposição de mudança de cargo/responsabilidade é a forma mais fácil de conseguir se adaptar e ter sucesso numa nova empreitada. Caso não encare de uma boa forma o seu organismo e seu pensamento farão com que você fique estressado a ponto de não conseguir enxergar boas oportunidades e nem mesmo aprender tarefas básicas desta nova fase, criando assim um bloqueio te impedindo de evoluir, perdendo assim tempo precioso da sua vida.

Pense Positivo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>